Expressionismo

Expressionismo
O Expressionismo é a arte do instinto, trata-se de uma pintura dramática, subjetiva, “expressando” sentimentos humanos. 

Utilizando cores irreais, dá forma plástica ao amor, ao ciúme, ao medo, à solidão, à miséria humana. Deforma-se a figura, para ressaltar o sentimento.

Principais artistas:

Paul Gauguin (1848-1903): No início da década de 1870, Gauguin tornou-se um entusiasmado pintor de domingo e, em finais de 1876, já dominava suficientemente a pintura para que uma paisagem sua fosse aceita para exposição no Salão Anual Oficial. Em 1891, Gauguin já tinha se estabelecido como um líder entre os artistas e os poetas de Paris. Porém, ainda extremamente pobre, ele tomou a surpreendente decisão de se fixar no longínquo Taiti.

Paul Cézanne (1839-1906): Sofria de diabetes. Expôs trinta telas em Berlim, segunda exposição individual na Casa Cassirer. A sua relação com os outros se tornou cada vez mais difícil. A diabetes enfraquecia-o cada vez mais. Expôs seus quadros no Salão de Outono, em 1905, e nos Independentes. O negociante de arte Durand-Ruel envia dez dos seus quadros à exposição impressionista de Londres.

Vincent Van Gogh (1853-1890): Durante toda a vida vendeu um só quadro, travando uma amarga batalha contra a pobreza, o alcoolismo e a insanidade. Depois de dois anos em Paris, durante os quais pintou mais de duzentos quadros com a ajuda financeira do irmão, Van Gogh foi para Arles, no sul da França. Depois disso, Van Gogh retirou-se voluntariamente para um asilo para doentes mentais em St-Rémy-de-Provence, onde esperava recuperar a confiança em si mesmo e a estabilidade mental.

Toulouse-Lautrec (1864-1901): Henri de Toulouse-Lautrec era um aristocrata, um boêmio alcoólatra e um grande artista. Afligido por tristes deficiências físicas, além de ser pintor, ele era um grande artista popular, tendo sido um pioneiro do ousado e chamativo novo meio, o pôster. Foi para o Moulin Rouge que Lautrec fez seu primeiro (e ainda o mais famoso) pôster, usando o relativamente novo processo da litografia.

Munch (1863-1944): Aos quinze anos foi vítima da tuberculose. Munch começa a estudar engenharia em 1879. Um ano depois desiste dos estudos e decide ser pintor. Estuda arte e em agosto freqüentando a Academia de Desenho de Oslo, vende dois quadros e pinta o seu primeiro auto-retrato. Consegue, em 1936, sua primeira exposição em Inglaterra. Em 1943, recebe homenagens pela passagem do seu 80º aniversário.

Paul Klee (1879-1940): Quando garoto, adorava ouvir os contos de fadas de sua avó, muitos dos quais ela mesma ilustrava. Logo se interessou por desenhar e pintar. Beirando os 19 anos, ele partiu para Munique para estudar arte. A vida foi interrompida pela Primeira Guerra Mundial, durante a qual Klee serviu como oficial. Klee experimentou a mistura de meios artísticos, usando aquarela e pintura a óleo ou tinta, cola e verniz, por exemplo.

Amadeo Modigliani (1884-1920): A empresa da família abre falência e para ajudar às despesas da casa a mãe de Modigliani começa a dar lições particulares e a fazer traduções. Modigliani cresce num ambiente com interesses literários e filosóficos. Em 1898, Mondigliani contrai febre tifóide e o seu destino de artista lhe é revelado num mítico sonho delirante. Depois de restabelecido, abandona a escola e recebe lições do pintor Guglielmo Micheli na Academia de Arte de Livorno.