Frutas Exóticas

Frutas Exóticas
Você já ouviu falar em physalis, rambutão, mangostão ou lichia? Provavelmente não, certo?!?!

Realmente quase ninguém conhece essas frutas porque e justamente por isso são frutas exóticas , ou seja, são pouco conhecidas, raras.

O termo “exótica” pode ser usado também para nomear aquilo que vem de outro país, no caso, as frutas.

Aqui no Brasil temos aproximadamente 100 tipos diferentes de frutas exóticas, vindas de outros países, mas que se adaptaram perfeitamente ao nosso clima.

Essas frutas, por serem raras e necessitarem de cuidados especiais de cultivo, geralmente custam mais caro que as demais, mas quem já experimentou afirma que vale a pena!

Assim como todas as frutas, as exóticas, além de serem saborosas, também têm nutrientes importantes para o organismo.

Vamos conhecer alguma delas:

Physalis: é uma fruta cultivada pelos índios, específica da região da Amazônia brasileira, e conhecida popularmente como Camapu. Ela é amarela, pequena e delicada. O sabor da fruta é adocicado e um pouco cítrico.

Romã: proveniente do sudeste da Europa até a região do Himalaia, na Ásia, chegou ao Brasil com os portugueses, já na época do descobrimento. É vermelha por fora, com muitas divisões em seu interior, semelhantes a pequenas sementes.

Rambutão: cultivado na Tailândia, Indonésia, Filipinas, Suriname, Colômbia, Costa Rica e Cuba. De acordo comos especialistas, a textura, o gosto e a forma de comer são semelhantes à lichia.

Mangostão: originária da Malásia, atualmente é cultivada em todas as regiões tropicais do Brasil. Tem gosto suave e o aroma adocicado. Pode ser consumida ao natural ou em doces e sucos.

Lichia: é originária do sul da china e, segundo os especialistas existem dois tipos: as que são cultivadas nas montanhas, com frutos  pequenos, que servem para enxertos e as cultivadas em regiões chuvosas, essas sim são comestíveis. As primeiras plantas foram trazidas para o Brasil em 1810 para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro. A lichia tem gosto adocicado e é muito perfumada.

Carambola: proveniente da Ásia Tropical, Índia ou Indonésia, chegou ao Brasil em 1817, mais especificamente em Pernambuco. Quando cortada, lembra a forma de uma estrela. Suas flores também são comestíveis e usadas em saladas.

Atemoia: é resultado do cruzamento da graviola com a pinha. Tem casca verde e áspera, mas não se assuste com a aparência porque sua polpa é macia e doce.

Tamarindo: é uma fruta originária da África equatorial e da Índia. Os árabes a denominavam de “Tamr al-Hindi”, que significa “tâmara da Índia”. A fruta demora aproximadamente, 245 dias para chegar à fase de maturação. No período em que as frutas estão amadurecidas, as sementes crescem, a polpa se encolhe e a casca se torna frágil, sendo quebrada facilmente com a mão.

Sapoti: originária da América Central e sul do México, só é comestível quando está bem madura, porque antes disso libera uma espécie de látex quando cortada. Seu gosto é semelhante ao do caqui.

Cajá: proveniente da região tropical da América, a fruta tem a casca amarela e sua polpa é bastante ácida. Pode ser consumido ao natural, em sorvetes, sucos, geleias e licores. Na Bahia e região nordeste em geral, o cajá é bastante consumido.

Ciriguela: provavelmente é originária da América Central e América do Sul. Tem cor amarela e um sabor original, além de ser bem cremosa.

Cupuaçu: é oroginário da Amazônia brasileira. Sua polpa é carnuda e aromática, doce e azeda ao mesmo tempo. O cupuaçu também é muito usado para fazer doces, refrescos, sorvetes e comportas.

Hummm!!!! Dá vontade de experimentar todas, não é mesmo?

Curiosidade
 

Frutas do outono

Uma característica “deliciosa” do outono é a variedade de frutas típicas dessa época do ano. Por não ter as chuvas intensas do verão e nem as baixas temperaturas do inverno, o outono é uma estação ideal para a colheita de várias frutas, entre elas o abacate, açaí, banana, caqui, goiaba e vários tipos de laranja.